Já é sabido que organizações lideradas por grupos diversos e com equidade apresentam melhores resultados financeiros. Agora é preciso reforçar que a diversidade pode curar ambientes corporativos adoecidos e este é um remédio que está ao alcance de todos nós.

 

A liderança define o ritmo e inspira mudanças, para isso, agir com transparência é fundamental. Além da equidade de gênero em cargos de decisões, todos os líderes devem ser catalisadores da mudança.

 

Um exemplo disto é que as empresas da América Latina que adotam a diversidade tendem a superar outras empresas em práticas-chave de negócios como inovação e colaboração, e costumam ter ambientes de trabalho mais felizes e uma melhor retenção de talentos, refletindo em uma saúde organizacional mais sólida quanto aos resultados, segundo o relatório da consultoria internacional Mckinsey & Company. (Diversity Matters, Junho 2020)

 

Mulheres e grupos minoritários continuam consideravelmente sub-representados nas posições de liderança das empresas latino-americanas. Isso aponta para a urgência de tomar medidas para promover a diversidade no trabalho, incentivando acima de tudo, a prática da empatia.

 

O termo “teto de vidro” se refere a uma barreira sistêmica e invisível que impede que as mulheres subam à liderança sênior.

Como empresas podem estimular o desenvolvimento de suas lideranças?

 

Consultoria, palestras e mentorias podem ser uma solução efetiva especialmente se forem estimuladas a acontecerem entre cargos e pessoas diversas.

Elisa Rosenthal
 

Diretora presidente do Instituto Mulheres do Imobiliário. LinkedIn Top Voices, TEDx Speaker, produz e apresenta o podcast Vieses Femininos. Embaixadora da Crediall Mulher, integrante do Núcleo de Empreendedorismo e Inovação do Secovi-SP.

Colunista HSM Management, do blog Conecta Imobi, Mundo Zumm e Exame Invest, atua pela equidade de gênero especialmente no setor imobiliário.  Autora de Proprietárias: A ascensão da liderança feminina no setor imobiliário.